Blog

Para você, o que é o amor?

Para Bauman (2004, p.  21) “Amar significa abrir-se ao destino, a mais sublime de todas as condições humanas.”

Iniciar com um crítico do amor na modernidade, é colocar em jogo o quanto as relações estão diferentes, a pandemia estendeu muito esse olhar.

No dia de hoje a comemoração fica para os namorados e para os que não namoram também. A intenção é que se sintam ‘enamorados’ no dia de hoje, que seja possível amar sozinho e acompanhado, e curtir um sábado da melhor forma possível. Hoje vamos recomendar maneiras de curtir em casa, para quem tá namorando e para solteiros. 

Resolvi começar pelo time que estou atualmente, o time das solteiras. E estando solteira ou namorando, o importante é cultivar o amor próprio. Quando li o poema Amar de Carlos Drummond de Andrade (destaco o trecho abaixo). Me deparo como somos seres de amor, seja amor pela natureza, pelos animais, amor de amigos, amor próprio e toda forma de amor e de amar. E vamos amando.

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal,
senão rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Carlos Drummond de Andrade

Como eu imagino que muita gente gostaria de sair e curtir esse sábado, e por sua saúde e pela saúde coletiva, ficar em casa é a melhor escolha, eu te sugiro:

  • Uma boa chamada de vídeo com os amigos, assim vocês matam a saudade e colocam o papo em dia;
  • Aproveitar a família, os pets, as plantinhas;
  • Assistir um bom filme e aproveitar sua companhia incrível;
  • Um SPA Day em casa, cheio de pepino nos olhos e unhas belíssimas;
  • Aprender uma receita nova;
  • Ler um novo livro ou voltar a ler aquele que tá lá pela metade;

Para quem quer dançar a valsa dos namorados de Diana, o namoro pode ser comemorado de maneiras muito legais:

  • Pra quem mora junto, passar um tempo juntos, seja cozinhar ou fazer arte, pode ser muito legal;
  • Fazer uma decoração nova;
  • Pedir um delivery e curtir a companhia;
  • Maratonar uma série;
  • Assistir aquele filme que está na lista.

Quando penso em namoro, automaticamente me vem o amor, o amor logo me remete a poesia. Vinicius me derrete com soneto de amor do amor total e soneto de fidelidade. Coloca uma poesia no cartão e é só sucesso.

Soneto do amor total
Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade
Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes

Para Cerqueira e Da Rocha (2018), a demanda de relacionamentos amorosos são facilmente comparados com a busca por felicidade, de forma que traria a completude. Estar num relacionamento pode ser sonho de uns e de outros não. O importante é que cada um faça suas escolhas quanto a sua vida amorosa e que isso promova felicidade. E lembre-se: não cabe julgar ou comparar a vida amorosa, são questões subjetivas.

Referências: 

Cerqueira, IC; Da Rocha, FN. Amor e relacionamentos amorosos no olhar da psicologia. Revista Mosaico. 2018 Jul./Dez.; 09 (2): 10-17

Blog, Podcast

#6 Xadrez é vida – com Kênio Menezes

Quando um hobby se torna parte do seu propósito de vida?

Nosso convidado é apaixonado pelo Xadrez, ele diz que além de jogo, é também ciência e arte. Além de professor, técnico e entusiasta do esporte, Kênio Menezes é formado em psicologia e em seu trabalho no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Campus Recife (IFPE) ele incentivou muitos de seus alunos a encararem campeonatos como uma maneira de socializar e fazer amizades. Confira no último episódio desta temporada uma conversa sobre o ensino e democratização do xadrez em Pernambuco e no Brasil, além de diversas curiosidades sobre este universo.

Esperamos que possam curtir a nossa conversa!

Siga o @buscaespecial no Instagram para ficar por dentro das novidades!

Escute agora o episódio por aqui 👇

Confira aqui a Transcrição do Episódio 6

Blog

O papel da família na educação dos filhos

Por Bárbara Pacífico

Pensar no papel dos pais na educação dos filhos é idealizar pais presentes também no ambiente escolar, contribuindo com a aprendizagem e promovendo uma boa educação no âmbito familiar. A família, como primeira instituição social, dá a base para os enfrentamentos sociais da criança, ou seja, insere as elaborações iniciais da vida. Velasquez traz a ideia de que “A personalidade da criança e do adolescente se estrutura e molda essencialmente no meio familiar. Os pais, responsáveis pela educação e orientação de seus filhos, devem assumir o seu papel e, além de oferecer amor, impor limites a seus descendentes.”

No contexto da pandemia, a maneira de conduzir a educação escolar foi redimensionada, os ambientes de casa e escola em dados momentos se fundem. Estimular as crianças, participar das atividades escolares, observar as aulas, participar das reuniões, conhecer seu filho quanto educando, puderam ser vistas de um novo ângulo. Souza (2020), discute bem que “no  período  da  pandemia,  novas  relações  afetivas  e  profissionais  foram  criadas  e  ressignificadas, muitas  pessoas  passaram  a  trabalhar  remotamente;  famílias  passaram  a  conviver  cotidianamente  com vários conflitos.” É importante entender as responsabilidades cabíveis aos filhos e à escola, a inserção da educação em casa forma o caráter e enfatiza as relações na escola, isso implica dizer, que a base da educação se faz no ambiente familiar.

Contexto histórico

Antes do século XVII, os valores e os conhecimentos relacionados às práticas profissionais e morais eram apreendidas em sua maioria, no seio dos grupos familiares. A partir do século XVII, com a origem das cidades modernas, a instituição escolar ganhou importância e passou a ser vista como uma continuação da educação familiar. No Brasil, essa crescente preocupação em instruir e educar as massas populares, para garantir o progresso e o desenvolvimento da nação, se iniciou no século XIX. Desde o início do século XX, a preocupação em aproximar as famílias da instituição escolar já existia. 

Funções Família e Escola

Oliveira (2003) afirma que a família é o primeiro meio de socialização da criança, dentre as suas principais funções está a “função educacional”, responsável por transmitir valores e padrões culturais da sociedade. Como função da escola, Polonia e Dessen (2005) concluem que “a escola deve visar não apenas a apreensão do conteúdo, mas ir além, buscando a formação de um cidadão inserido, crítico e agente de transformação, já que é um espaço privilegiado para o desenvolvimento das ideias, crenças e valores”. 

A separação das funções é importante para entender quais os papéis das instituições na educação dos filhos, tendo em vista que atualmente ocorrem questões de ambivalência entre a escola e a família. Rosa (2020) muito bem coloca que a relação entre a família e a escola é uma relação onde uma depende da outra, ressaltamos assim a necessidade de uma colaboração das duas partes em relação à imposição de limites, ao convívio social, à formação do indivíduo, à partilha de valores, além das questões pedagógicas.

A psicóloga Jordana de Castro Balduino discute a ideia dos papéis da escola e da família referente à educação, onde todas as questões são levadas em consideração, desde a escolha de uma escola que corresponda às necessidades, quanto a disponibilidade desse compartilhamento. Relembra que sempre que for pensar na escola, é importante fazer tais questionamentos: 

· Estou ensinando o meu filho a respeitar as regras da sociedade e em especial da sua escola?

· Tenho dado autoridade à escola para contribuir de fato na educação do meu filho?

· Qual a importância do professor na sua vida?

· Na medida do possível tenho participado das atividades da escola?

Pandemia: rotina e desafios

Com o distanciamento social imposto pela pandemia, rotinas foram reinventadas, novos comportamentos e demandas surgiram para as famílias e para a escola. Foi preciso criar adaptações para não paralisar as atividades e não interferir negativamente no desenvolvimento da aprendizagem. A Sociedade Brasileira de Pediatria (2020) traz pontos de como essa nova dinâmica pode causar estresse na vida das pessoas. Com isso, fornece algumas dicas importantes para os pais nesse momento de pandemia: 

  • Os adultos devem realizar momentos de diálogo para discussão das atividades prioritárias do dia a dia, das necessidades básicas da casa, da divisão de tarefas e obrigações. Deve-se organizar os horários do trabalho de cada um dos pais, tentando intercalar os períodos para os demais afazeres da casa e das crianças.
  • Dar abertura para que eles possam expressar seus sentimentos e suas dúvidas em um ambiente acolhedor e de apoio mútuo.
  • Realizar o planejamento de agenda dos filhos juntamente com eles, incentivando-os a organizar horários equilibrados para manter as atividades de brincadeiras, estudo, leitura, música, atividade física, sono e tempo de tela, respeitando os limites da rotina saudável.
  • Intercalar períodos de atividades físicas dentro do lar em mais de um horário do dia nos turnos da manhã e da tarde e, se possível, fazer as atividades em conjunto pais e filhos. Estimular a criança e o adolescente a ser criativo para realizar essas atividades em casa que podem ser de circuitos feitos com travesseiros e garrafas plásticas, pular corda, dançar, artes marciais dentre outros.
  • Usar a tecnologia a favor de todos. Definir com as crianças os horários para o uso saudável das telas, segundo as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria, evitando ultrapassar os limites e o acesso sem supervisão a conteúdos inadequados.
  • Inserir as crianças e adolescentes nas tarefas domésticas respeitando a capacidade de acordo com a idade de cada um. Incentivar o ensino colaborativo supervisionado enquanto realizar essas atividades e aproveitar para ensinar afazeres de forma alegre e prazerosa, pois isso pode trazer grande aprendizado para a criança e adolescente.
  • Incluir na agenda pausas durante o dia para que a família possa estar unida de forma alegre e prazerosa. Tente realizar as refeições junto com as crianças abordando temas construtivos. Praticar as técnicas de atenção plena e de relaxamento.
  • Seja você o modelo de comportamento que espera de seus filhos. Portanto, os pais devem evitar excesso de tela, manter o lar harmonioso e demonstrar de forma assertiva e genuína como lidar com equilíbrio com essa situação adversa só traz benefícios na construção de um cérebro saudável na infância. (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA, 2020)

Recomendação de leitura: PAIS E FILHOS EM DISTANCIAMENTO SOCIAL <https://www2.ufjf.br/siassgv/wp-content/uploads/sites/107/2020/08/cartilha.pdf&gt;

Referências:

POLONIA, Ana da Costa; DESSEN, Maria Auxiliadora. Em busca de uma compreensão das relações entre família escola. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, v. 9, n. 2, p. 303-312, dez. 2005. 

ROSA, Luciana de Fatima da. Relação família e escola: as contribuições no desempenho escolar de alunos nos anos iniciais. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade de Ensino Superior do Centro do Paraná, Pitanga, 2019.

OLIVEIRA, PÉRSIO SANTOS DE. Introdução à sociologia da educação. 03.ed. São Paulo: Ática, 2003.

GONÇALVES, Alexandra; RIBEIRO, Célia. O papel dos pais na escolarização dos filhos com perturbação da aprendizagem específica com défice na leitura. Gestão e Desenvolvimento, n. 24, p. 213-230, 2016.

http://www.minutopsicologia.com.br/postagens/2016/07/24/familia-e-escola-uma-relacao-necessaria/

Arquitetura

Sessão Arquitetura Acessível: Setting Terapêutico – Psicologia e Arquitetura

por Beatriz Terra e Barbara Pacifico

O Setting terapêutico se constitui como um espaço seguro e sólido, onde o processo tem início. Um local silencioso, onde o psicólogo e o indivíduo estabelecem regras e apresentam suas questões. O psicólogo deve apresentar de início suas regras, para ter maior controle das situações que poderão surgir, exemplo disso é se colocar com neutralidade e imparcialidade.

De acordo com Moreira e Esteves (2012), uma forma clara de entender o Setting é como “regras de um jogo”, essas serão expostas pelo psicólogo no início do contrato, os jogadores entendem as regras antes de começar a jogar. Muitas vezes nem todas as regras são apresentadas, preservando algumas particularidades, o jogo pode ir se moldando a partir do que vai sendo revelado durante o “jogo”.

Freud traz o Setting como um campo seguro, tendo sua inserção pelo contrato, dando início ao processo terapêutico, durante sua experiência clínica teve como objetivo delimitar o espaço entre terapeuta e paciente, sem aprisionar a papéis já determinados, sendo livre as mudanças de “regras do jogo”.

O Setting fora do consultório

Com o passar dos anos, a psicologia foi sendo solicitada em muitos campos de atuação, com isso alguns conceitos vão se adaptando a essas demandas, a psicologia social, hospitalar, comunitária, ambiental, todas tem espaço terapêutico e de vínculos.

O setting pode ser visto como um espaço físico em um consultório, um divã, a formalidade idealizada para algumas abordagens. Entretanto, na elasticidade do setting estão muitas áreas da psicologia como forma de apresentar controle no exercício da profissão. 

O Design do Setting Terapêutico 

Como nós já tínhamos tratado no post de Desenho Universal, de acordo com a visão da arquitetura, cada ambiente deve ser adequado a cada tipo de usuário. Contudo, isso também equivale a cada atividade a ser realizada no local. Para um espaço como o setting terapêutico, é necessário que ele transmita uma mensagem, essa sendo de tranquilidade, confiança, aconchego, liberdade e entre outros. Isso também equivale à proximidade que se deseja criar entre o psicólogo e o indivíduo.

Por exemplo, no setting terapêutico, podemos contemplar 2 grupos divididos por faixa etária: infantil e adulto. O grupo mais característico, o infantil, é claro que será necessária a presença de brinquedos, jogos e figuras lúdicas. É importante que nesse espaço existam estímulos direcionados ao tipo de demanda, como também ter praticidade, pois também é necessário acolher a família dessa criança com o intuito de entender todo o meio em que a criança vive.

Sabendo disso, é possível dizer que a elaboração de um setting terapêutico pode ser realizada através de uma parceria entre arquiteto ou designer de interiores e o psicólogo. Assim será possível compor o espaço direcionado para os clientes que este costuma receber de acordo com a abordagem de trabalho utilizada pelo profissional.

No design de interiores também é estudado que cada ambiente é estruturado de acordo com o seu uso. Ambientes residenciais, comerciais, hospitalares e de hotéis possuem, cada um, uma forma de ser composto e também existem regras em cima disso. Então, além das regras estabelecidas em normas da ABNT, existem algumas sugestões de composições utilizadas e estudadas há muito tempo.

Dentre essas composições, existem diversos materiais e métodos que transmitem mensagens, assim como as cores, como pudemos ver no post sobre A Influência de Ambientes para Autistas aqui do blog. Os materiais a serem escolhidos para compor os ambientes terapêuticos precisam estar relacionados às mensagens relacionadas à terapia. As cores e os materiais amadeirados sempre se caracterizam por ACONCHEGO.

Projeto BADERMANN: Serviço de Terapia Antineoplásica HSL PUCRS | Porto Alegre | 2019

 Os espaços devem ser bem iluminados para elevar a ENERGIA do espaço, e todos os elementos de composição do design devem formar uma só unidade, trazendo HARMONIA.

Projeto BADERMANN: Serviço de Terapia Antineoplásica HSL PUCRS | Porto Alegre | 2019

Sempre que for possível, é muito importante que o ambiente estabeleça uma conexão direta com a natureza. Essa conexão pode ser dada através de grandes janelas, varandas ou até mesmo o uso de plantas como decoração no ambiente.

Projeto BADERMANN: Serviço de Terapia Antineoplásica HSL PUCRS | Porto Alegre | 2019

O ambiente terapêutico pode ainda distribuir aromas de acordo com a intenção e também disponibilizar cores. Uma das características mais importantes, é que esse ambiente seja mutável e que o terapeuta possa alterar seu layout e a composição de decoração quando quiser e da forma que quiser.

O mais importante é frisar que a composição dos espaços clínicos devem sempre priorizar a facilidade de higienização, principalmente no atual momento em que vivemos no mundo.

Esperamos que tenham gostado da “Sessão Arquitetura Acessível” dessa semana! E se você não viu os outros posts desse quadro, acesse o nosso blog e cheque essas e muitas outras publicações agora mesmo!!

REFERÊNCIAS

Psicologia e Arquitetura: o ambiente como mais um recurso na terapêutica infantil (badermannarquitetos.com.br)

 Espaços Terapêuticos | BADERMANN ARQUITETOS

O que é Setting Terapeutico ou Setting Analítico? – Psicanálise Clínica (psicanaliseclinica.com)

MOREIRA, Letícia Machado; ESTEVES, Cristiane Silva. Revisitando a teoria do setting terapêutico. Portal dos psicólogos, p. 1-8, 2012.

SANTOS, Juliana Marques Batista dos et al. A PSICOLOGIA FORA DO SETTING TERAPÊUTICO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. 2019.

Blog

Oscar & Inclusão

por Beatriz Terra e Victória Régia

O Oscar é conhecido mundialmente como a premiação mais importante do cinema e é realizado pela Academia de Cinema de Hollywood. O evento acontece uma vez por ano e reúne as celebridades deste mundo e principalmente toda a equipe por trás das produções. As produções lançadas em um determinado período, passam por um difícil julgamento e são separadas em categorias para receberem a devida premiação.

O que chamou atenção no evento deste ano foi a indicação de três produções que  se destacavam por incluir o tema da inclusão de pessoas com deficiência em papéis centrais para a inclusão. Foram elas: O Som do Silêncio, Crip Camp e Feeling Through.

  • O SOM DO SILÊNCIO

Disponível no streaming da Amazon Prime, o Prime Video, O Som do Silêncio, ou The Sound of Metal, além da categoria de Melhor Filme, recebeu mais 5 indicações. Dentre elas, a de Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Roteiro Original e levou os prêmios de Melhor Som e Melhor Edição (MIRANDA, 2021). 

Essas indicações foram totalmente merecidas, pois além de possuir uma linda fotografia, o filme é uma grande experiência, pois o trabalho do diretor procura trazer sensações para que você se sinta como se estivesse no filme. 

A produção conta a história de Ruben, um jovem baterista de heavy metal que possui uma banda com a sua namorada Louise. Devido às incontáveis exposições aos sons muito agudos, Ruben passa a perder rapidamente a audição, e indo ao médico descobre que possui apenas 28% do total. 

A partir daí, você começa a sentir que vive junto ao protagonista e sentir o que ele sente, tendo as mesmas experiências. Essa produção destaca a comunidade de deficientes auditivos e mudos e a linguagem de sinais, trazendo uma linda mensagem de paz ao final do filme. Como essa mensagem é passada, nós não vamos contar!! Se você se interessou por essa produção, você pode assistir ao trailer AQUI!

Trailer de O Som do Silêncio (Prime Video)
  • CRIP CAMP: REVOLUÇÃO PELA INCLUSÃO 

O filme acumulou nove indicações ao Oscar em 2021 e foi dirigido por Nicole Newnham e Jim LeBrecht. Crip Camp é um daqueles filmes que você não pode deixar de ver, pois é um belo “soco no estômago” num sentido muito positivo. Acho que vocês percebem o quanto a temática de tirar o preconceito e os estigmas que a sociedade coloca para as pessoas, mas é a grande sacada do filme. Nesse acampamento ninguém era visto ou tratado de forma diferente, cada um tinha a sua singularidade e era ajudado por jovens que iam trabalhar de forma voluntária no acampamento. 

É nesse filme que vai mostrar o quanto esse acampamento teve uma luta significativa e essencial para que os direitos de pessoas com deficiência fossem adquiridos, como dito por um dos diretores do filme “este acampamento mudou o mundo e ninguém conhece a história.”. Fica a chamada para vocês… que tal conhecer a história que mudou o mundo? O documentário está disponível no streaming da Netflix, mas você pode assistir ao trailer AQUI

Trailer de Crip Camp: Revolução pela inclusão (Netflix)
  • FEELING THROUGH

O curta-metragem indicado ao Melhor Curta de Ação ao Vivo do Oscar de 2021 foi lançado em 2019 e dirigido por Doug Roland. O diretor é conhecido por ser um profissional que impacta socialmente contando histórias de indivíduos e comunidades sub-representadas e que não recebem tanta atenção (LINKEDIN). 

O curta ainda possui como produtora executiva, Marlee Matlin, uma atriz surda, a única a ganhar o Oscar para melhor atriz como protagonista em “Children of a Lesser God” (SAMPAIO, 2017).

O curta do gênero de drama conta a história de Tareek e Artie. Tareek é um jovem morador de rua que se encontra com Artie de madrugada pelas ruas. O jovem Tareek percebeu que Artie é surdo e cego e que precisa de ajuda para atravessar a rua. Porém, Artie acaba precisando de ajuda para chegar até um ponto de ônibus e a partir daí, Tareek resolve ajudá-lo. 

Durante as necessidades de Artie, ele e Tareek vão criando um carinho um pelo outro que surge através da empatia, educação e respeito de um pelo outro. Entretanto, em uma ida à uma loja de bebidas, Tareek precisando de dinheiro, acaba furtando um pouco de dinheiro de Artie. O desfecho dessa história, nós vamos deixar para que vocês descubram sozinhos! Para assistir ao curta, basta clicar AQUI!

Curta-metragem Feeling Through (Youtube)
  • REGRAS DE INCLUSÃO NO OSCAR

No ano de 2020, a academia anunciou novas regras para aumentar a diversidade nas produções indicadas ao prêmio de melhor filme. Essas regras surgiram com influência das regras criadas pelos prêmios BAFTA do Reino Unido.

Assim, foi determinado que a partir do ano de 2024, todas as produções que tiverem a intenção de participar das indicações, deverão cumprir com novos critérios (Diário de Pernambuco, 2020).

  1. O protagonista deve ser de representante de um grupo normalmente não representado, “ou que 30% dos papéis secundários sejam distribuídos entre minorias, ou que se abordem os problemas que rodeiam estas comunidades como tema principal da obra.” 
  2. As principais funções dos bastidores devem ser ocupadas por profissionais que “façam parte de grupos historicamente desfavorecidos, entre os quais também estão incluídas as mulheres, as comunidades LGBTQ e pessoas com deficiências.”
  3. Devem ser ofertadas vagas de estágios e cursos de capacitação para “grupos subrepresentados”.
  4. Deve ser garantida a diversidade nos profissionais que fazem parte da comercialização e distribuição.

As obras, no entanto, que forem concorrer ao prêmio de melhor filme nos anos de 2022 e 2023, não precisam estar de acordo com essas novas regras, mas precisam apresentar “dados confidenciais sobre diversidade” para a Academia. Felizmente, mesmo que seja aos poucos, as instituições vêm mudando o olhar para as pessoas que eram marginalizadas e submetidas a estigmas, nessa perspectiva é sempre necessário trazer um novo olhar e realmente buscar mudanças para que a sociedade consiga ser mais igualitária no acesso a seus direitos, pois todos somos um só povo e devemos  ter as mesmas oportunidades. 

Esperamos que você tenha a oportunidade de assistir a todas essas produções. E se tiver assistido, não deixe de colocar aqui nos comentários o que você achou!💙💙 

REFERÊNCIAS

Oscar 2021 tem três filmes sobre pessoas com deficiência; cineastas apontam avanço em Hollywood | Oscar 2021 | G1 (globo.com)

Oscar irá impor regra de inclusão para premiação de melhor filme | Viver: Diario de Pernambuco

Sound of metal: filme sobre baterista de metal é indicado ao Oscar (igormiranda.com.br)

https://acontecimentosdodiablog.wordpress.com/2017/08/24/24-de-agosto-paulo-coelho-e-taquarana-al-2017/

Doug Roland – Creator/Filmmaker – Feeling Through | LinkedIn

https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2020/12/04/crip-camp-como-grupo-de-jovens-na-era-woodstock-mudou-a-inclusao-social.htm

Arquitetura, Uncategorized

Sessão Arquitetura Acessível: A Influência de Ambientes no Dia a Dia de Autistas

Há muito tempo existem diversos estudos sobre a influência que cores e espaços têm sobre os humanos. Mas através da pandemia, conforme passamos mais tempo em casa, temos a certeza do quanto isso é verdade.

Na arquitetura e urbanismo e no design de interiores sempre foi preciso que se pensasse no desenho para o cliente em específico. Isso se dá porque o ambiente precisa servir ao usuário sem que este não precise se adaptar a ele.

Este assunto está muito ligado principalmente ao Desenho Universal, assunto da nossa última Sessão de Arquitetura Acessível, se você não viu, clica AQUI! Então a partir disso, já é sabido que ambiente direcionado às crianças precisa ser projetado com tamanhos ideais para crianças e espaço para adultos, com tamanhos ideais para adultos. Mas além disso, as cores precisam ser escolhidas de acordo com as intenções de cada espaço. 

Portanto, esses aspectos devem ser considerados também, com ainda mais estudos, em ambientes para pessoas que possuem algum transtorno, como é o exemplo do Transtorno do Espectro Autista (TEA).

CONTEXTUALIZAÇÃO – TRANSTORNO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

Acredita-se que o transtorno representa um conjunto de síndromes. Essas síndromes afetam diretamente na comunicação e em suas habilidades (GAUDERER, 1993) e se manifestam de diferentes formas: podem falar sozinhas por muito tempo e não manter nenhum diálogo; podem ser insensíveis à dor; cinco sentidos muito aguçados; e entre outros sinais (MORAIS, 2012). É importante frisar, no entanto, que estes sinais não se manifestam obrigatoriamente em todos os autistas.

Já falamos no instagram do Busca Especial sobre a importância do diagnóstico precoce do TEA. Se você ainda não viu, por favor, clique AQUI!  E se ainda não segue a gente, aproveita e já siga! 😉

Através do diagnóstico precoce, os tratamentos podem ter resultados mais positivos e ajudar no desenvolvimento da criança. A escola também tem um grande papel no desenvolvimento da criança e não é diferente para com as crianças autistas. Entretanto, são poucas as escolas que se encontram preparadas atualmente para receber adequadamente este público.

Como mencionado anteriormente, devido aos 5 sentidos aguçados, é necessário que os ambientes sejam projetados considerando maneiras que venham a ajudar no dia a dia dos autistas. E se você sente que o seu lar está precisando ser adaptado, ao fim deste artigo separamos algumas dicas que podem ser colocadas em prática para melhorar o desenvolvimento do autista dentro de casa.

  • ACÚSTICA IDEAL

Para que a audição seja protegida, é preciso que a acústica dos ambientes sejam tratadas com atenção visando o mínimo de ruídos internos, externos, eco e reverberação (VERGARA, TRONCOSO, RODRIGUES, 2018).

Os materiais mais indicados para isolamento acústico interno são a madeira, cortiças e pisos emborrachados. Para o isolamento acústico externo, recomenda-se “o uso de paredes em alvenaria com uso de argamassa termoacústica ou divisórias duplas, com preenchimento interno para o isolamento acústico (LAUREANO, 2017).” (NAYADE, 2020).

  • ILUMINAÇÃO IDEAL

Os tipos de iluminação mais adequados para quem possui hipersensibilidade à luz são as lâmpadas halógenas, incandescentes e de LED, além da iluminação natural, é claro.

  • CONFORTO TÉRMICO IDEAL

É preciso priorizar a ventilação natural da edificação, entretanto, caso isso não seja possível, existe a possibilidade de se resolver com a ventilação artificial, entretanto o mais indicado seria o uso de eletrônico silencioso, como o ar condicionado.

  • DECORAÇÃO IDEAL

A posição dos móveis nos ambientes precisa estar de uma forma que não funcione como obstáculo e que possa permitir a movimentação do autista de forma independente. Conforme dito anteriormente, cada ambiente possui uma função e objetivo, e cada um deve ser decorado de forma a atingir este objetivo. 

Em conjunto com os móveis, as cores também possuem um papel muito importante na decoração. De acordo com o projeto, os ambientes podem acabar trazendo sensações para os usuários. Essas sensações variam de estresse à calmaria, felicidade, tristeza e a intenção é que os ambientes projetados para autistas sejam o mais calmo e simples possíveis.

As cores a serem evitadas de forma excessiva são as cores consideradas mais vibrantes e estimulantes (EVONLINE, 2015), como: vermelho, amarelo e laranja.

DICAS DE ADAPTAÇÃO

É importante saber que um Terapeuta Ocupacional especializado em Integração Sensorial vai poder te ajudar analisando o espaço que você já possui para que ele possa ser adaptado da melhor forma a partir da análise do que mais incomoda o paciente. Porém, vamos pontuar algumas medidas simples que podem ser tomadas, encontradas no blog Inspirados pelo Autismo, além das já mencionadas, e que já podem ajudar significativamente.

  1. Simplifique: os autistas são facilmente distraídos, portanto é importante que os estímulos sejam simplificados, limite a quantidade de sons, cheiros, texturas e sensações; em um ambiente em que ele(a) passe a maior parte do tempo, considere setorizar as áreas em que se deseja passar cada tipo de sensação.
  1. Paredes Limpas: evite usar quadros ou cartazes que não estejam atrelados às atividades que serão realizadas; prateleiras podem ajudar muito a armazenar objetos, e assim se pode ter um ambiente mais livre, sem obstáculos; 
  1. Móveis Úteis e Duradouros: é importante que se mantenha no quarto apenas o que for funcional e caso exista algum espaço a ser preenchido, este pode ser usado para abrigar equipamentos que venham a ajudar no desenvolvimento do autista, como: bolas de fisioterapia, rede ou balanço, mesa para atividades e interação.
  1. Espelhos: o espelho pode ser um grande aliado no desenvolvimento, este permite que o autista tenha maior consciência corporal; é importante observar a reação dele em relação ao objeto.
  1. Quadros de Rotina: com a visão clara do que será feito no dia ou na semana, a pessoa pode se sentir mais segura com a atividade que está por vir; considere representar as atividades com fotos ou desenhos, além da escrita.

Por mais que nesses tempos de pandemia e quarentena todos nós tivemos que nos adaptar, é importante frisar que nenhuma dessas adaptações substituem o tratamento e as terapias das quais a pessoa que possui TEA necessita. Por isso, é importante não suspender as terapias, mas procurar fazê-las de maneira mais segura e com constância, mesmo que à distância.

E essa foi mais uma Sessão Arquitetura Acessível do Busca Especial!

Agradecemos que você nos tenha acompanhado até aqui e esperamos que tenha gostado e que tenha ajudado! Se você conhece alguém que goste do assunto ou que este artigo possa vir a ajudar, compartilhe! 😀

*Para ajudar na elaboração deste artigo, foi utilizado o trabalho de conclusão de curso de Arquitetura e Urbanismo de Brunna Nayade que teve como tema um Anteprojeto Arquitetônico de Creche Pública Inclusiva para Crianças com Transtorno do Espectro Austista, em Boa Viagem, Recife/PE.

Blog

Autismo e a escola: a importância da educação inclusiva

O Autismo é um assunto que o Busca Especial tem muito carinho, destacando  a necessidade e a importância de ser comentado e debatido. Como o dia 02 de abril é o Dia Mundial de Conscientização sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), tanto nas nossas redes sociais quanto aqui no blog escolhemos abordar alguns temas relacionados ao assunto.

Neste post serão os seguintes pontos:

  • O que é o autismo?
  • Autismo e o contexto escolar
  • O que é uma educação inclusiva?
  • Parceria Família e Escola
  • Aprendizado pedagógico e autismo

O que é o autismo?

“O Transtorno de Espectro Autista (TEA) se caracteriza por dificuldades de comunicação e interação social e a presença de comportamentos neurotípicos como ações repetitivas ou restritas. Entretanto, esses traços, apesar de serem percebidos, possuem gravidade variável.”

Publicação Busca Especial

Justamente por essa variedade de comportamentos, foi adotado o termo espectro. Então, como todos nós que temos nossa singularidade, pessoas que estão diagnosticadas dentro do espectro não podem ser rotuladas, mas devem ser compreendidas e respeitadas em suas individualidades.

Autismo no contexto escolar

As atividades realizadas na primeira infância são de grande importância para o desenvolvimento da criança. Na fase escolar, o aprendizado fica ainda mais intenso. Para alguns alunos que estão no espectro o desafio pode ser ainda maior pelas dificuldades comportamentais, de comunicação e socialização.

No artigo do Instituto NeuroSaber sobre o desafio da inclusão do autismo no âmbito escolar, é levantado o ponto da individualidade de cada criança no qual o professor e toda a equipe só vão entender quais são as melhores abordagens durante a rotina escolar e com a prática pedagógica.

O que é uma educação inclusiva?

Educação inclusiva é o real esforço para a adaptação do ambiente escolar de acordo com as necessidades de cada aluno, para que assim seja garantido, além do aprendizado, o cumprimento do que está presente na lei e reforçado na Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

“As pessoas com deficiência recebam o apoio necessário, no âmbito do sistema educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;”

Art. 24, 2, alínea d, do Decreto n° 6.949, de 25 de agosto de 2009

Esse apoio necessário, pode incluir a presença de um acompanhante ou cuidador escolar que ficará responsável por acompanhar o aluno com mais exclusividade, atividade que o professor não consegue fazer em uma sala com vários alunos. Apesar de ser garantido por lei, na prática, nem sempre acontece como alguns relatos que coletamos de familiares.

“A Escola é um novo meio para a criança. Além do ensino, a socialização tem um papel preponderante. O tempo que Kênio frequentou a escola foi muito significativo, posto que pôde conviver com diferenças tanto em termos de pessoas como de estrutura física dos lugares. No entanto, é importante ressaltar que, embora, muitos estudos tenham avançado daquela época (anos 1990 e anos 2000), ainda percebemos a dificuldade dos profissionais, dos alunos e até mesmo pais,  em relação ao trato, ensino e convivência”.

Ivalda Marinho, mãe de Kênio e psicóloga.

Parceria Família e Escola

“É importantíssima essa união entre escola, pais e o profissional que acompanha essa criança. Ao meu ver, é um trabalho multidisciplinar, sempre vai precisar um do outro, porque o que a criança aprende em casa, vai pra escola, o que a criança aprende na escola chega em casa.”

Aldair José, tio de Lucas e estudante de psicologia.

A família de Lucas (5 anos), que é apaixonado pelo ambiente escolar, ressalta a diferença que esse convívio proporciona ao aprendizado e desenvolvimento da criança. Não existe um lugar que esteja totalmente preparado para receber o aluno, mas apenas através de uma construção de forma gradativa, por meio de momentos de troca entre família, escola e equipe terapêutica. Além de um lugar de acolhimento e desenvolvimento para a criança, a escola também é um canal para difundir informação e diluir o preconceito.

Aprendizado pedagógico e autismo

No ambiente escolar, os alunos estão o tempo todo intencionalmente expostos aos estímulos adequados, de acordo com o planejamento pedagógico estabelecido. Tais estímulos são recebidos de formas diferentes por cada aluno. Para as crianças que estão dentro do espectro, a possibilidade de distração faz com que o aluno não obtenha a resposta desejada nas atividades propostas. O que pode ser um fator que diferencie ainda mais o ritmo de aprendizagem comparativo entre os colegas de sala.

Aqui citamos algumas abordagens que são voltadas para o desenvolvimento:

D.I.R.®/ Floortime™ – Segue os interesses da criança ao mesmo tempo em que a desafia a alcançar maior domínio das capacidades sociais, emocionais e intelectuais.

ABA – Trabalha no reforço dos comportamentos positivos.

Son-Rise Program® (SRP) – Privilegia a relação em detrimento do tratamento.

“Toda criança traz consigo o potencial para ser uma ótima criança. O nosso trabalho é criar um ambiente onde esse potencial possa expandir.”

Dr. Stanley Greenspan

Com essa provocação do Dr. Stanley Greenspan, psiquiatra e um dos criadores do método D.I.R.®/ Floortime™, ficamos com o questionamento: 

O que podemos fazer para criar o melhor ambiente para as crianças ao nosso redor, e, em especial, para todos que estão dentro do espectro.

Deixe aqui nos comentários a sua opinião.

Blog, Podcast

Inspire-se e entenda mais sobre empregabilidade com Maykson Assunção

Nosso segundo convidado tem muito carisma e a admiração de seus alunos

Maykson Assunção é o convidado do nosso segundo episódio do Podcast do Busca Especial. Ele conversou sobre vários assuntos que percorreram e percorrem a sua vida, como liderança, propósito, inspirações, voluntariado e empregabilidade. Além disso, também mencionou sobre o Coletivo Jovem, que tem o objetivo de empoderar e inspirar jovens de diferentes comunidades no Brasil. No episódio falamos especialmente da Região Metropolitana do Recife.

Estar conectado a pessoas te leva às oportunidades, na verdade. Então é interessante que você esteja realmente, de fato, disponível, aberto e com força de vontade.

Maykson Assunção – Educador social sênior do projeto Coletivo Jovem e mobilizador do projeto Recode (Microsoft)

Maykson falou a respeito de como funcionam as atividades empregadas dentro da sala de aula com esses jovens. Não trabalham somente a questão das habilidades técnicas, mas também a comportamental. Existem muitas dinâmicas oferecidas para que eles possam refletir sobre si mesmos e sobre o outro. Racismo, feminismo e empreendedorismo fazem parte desses temas que colaboram com esse desenvolvimento pessoal e profissional de cada um.

Acrescentando a isso, também refletiu-se sobre a empregabilidade entre os jovens no Brasil, principalmente na região nordeste. De acordo com os dados divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego entre os jovens chegou a 27,1% no primeiro trimestre de 2020. Com isso, Maykson deu sua opinião a respeito do impacto que uma boa preparação para o mercado de trabalho pode causar na vida de um jovem. E muitos vão até além: chegam a abrir o negócio que tanto sonharam.

Então convido você a ouvir o podcast e compartilhá-lo com alguém que você sabe que precisa desse conteúdo.

Confira a Transcrição abaixo.
Arquitetura

Sessão Arquitetura Acessível: Desenho Universal

Olá seguidores do Busca! Nesta semana vamos dar continuidade ao quadro Sessão Arquitetura Acessível. No último post, abordamos sobre a Norma Técnica Brasileira 9050/2015 que se refere às regras e parâmetros para serem seguidos garantindo a acessibilidade em edificações. Se você não sabe do que eu tô falando, pode clicar aqui, que você será redirecionado para este post 😀

E como mencionado, o conceito de Desenho Universal também está atrelado à acessibilidade, procurando garantir a inclusão não só de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, mas de “(…) todas as pessoas que vivem em sociedade.” (GABRILLI, 2007) e por isso, também é assunto neste quadro.

Este conceito surgiu após a Revolução Industrial, onde se via uma produção sendo realizada em massa e sem planejamento. Nessa produção faltava uma visão direcionada para a necessidade e forma de utilização destes produtos/imóveis pelos usuários finais. 

A partir disso, diversos países se juntaram para reinventar a forma de produção, no ano de 1961. Dentre esses países estavam o Japão, os Estados Unidos e alguns países da Europa, países característicos de produção em massa. Devido a essa reunião, em Washington no ano de 1963, surgiu “(…) uma comissão com o objetivo de discutir desenhos de equipamentos, edifícios e áreas urbanas adequados à utilização por pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida”. Essa comissão se chamou Barrier Free Design.

Os principais aspectos a serem considerados na concepção de produtos ou projetos de edificações e de interiores são:

  1. Altura: da cabeça aos pés; o máximo alcance dos braços esticados; o alcance dos olhos do observador;
  2. Idade: percepção do espaço como adultos e crianças;
  3. Força/Destreza: máximo de esforço que o usuário pode aplicar para realizar alguma ação; produção específica para destros ou canhotos; e etc.

Somente em 1987, o termo Universal Design (Desenho Universal) foi criado pelo arquiteto Ron Mace, que usava cadeira de rosas e um respirador artificial. 

Arquiteto Ron Mace.

Ele então conseguiu reunir vários arquitetos e pessoas que defendiam as mesmas ideias para estabelecer princípios do conceito que podem ser seguidos para a elaboração de objetos visando sempre o acesso de uma grande massa àquele objeto e/ou espaço. Estes princípios serviriam para que pudessem ser “mundialmente adotados para qualquer programa de acessibilidade plena”. Ao todo são considerados 7 princípios, dentre eles: 

  1. Igualitário – Uso Equiparável: espaços, objetos e produtos que podem ser utilizados por pessoas com diferentes capacidades; 

EX.: Portas automáticas com sensores de presença que não exigem esforço físico dos usuários.

Desenho Universal, 2007.
  1. Adaptável  – Uso Flexível: design de produtos ou espaços que atendem pessoas com diferentes habilidades e diversas preferências, sendo adaptáveis para qualquer uso;

EX.: Computador com teclado e mouse ou com programa; e Tesoura que se adapta a destros e canhotos.

Desenho Universal, 2007.
  1. Óbvio – Uso Simples e Intuitivo: placas indicativas que facilitem o entendimento do espaço; 

EX.: Sanitários feminino e masculino e para pessoas com deficiência.

Desenho Universal, 2007.
  1. Conhecido – Informação de Fácil Percepção: mapas com informações também em alto relevo; 

EX.: Símbolos e letras em relevo, braille e sinalização auditiva.

Desenho Universal, 2007.
Desenho Universal, 2007.
  1. Seguro – Tolerante ao Erro: previsto para minimizar os riscos e possíveis conseqüências de ações acidentais involuntárias; 

EX.: Elevadores com sensores em diversas alturas.

Desenho Universal, 2007.
  1. Sem Esforço – Baixo Esforço Físico: para ser usado eficientemente, com conforto e com o mínimo de exigência de esforço físico); e 

EX.: Torneiras de sensor ou de alavanca; e Maçanetas tipo alavanca.

Desenho Universal, 2007.
Desenho Universal, 2007.
  1. Abrangente – Dimensão e Espaço para Aproximação e Uso: poltronas, cadeiras e banheiros com dimensões adequadas para obesos, cadeirantes e pessoas que estão com carrinho de bebê.

EX.: Poltronas para obesos em cinemas e teatros; Banheiros para cadeirantes ou com carrinhos de bebês.

Desenho Universal, 2007.
Desenho Universal, 2007.
  • LEGISLAÇÃO E DESENHO UNIVERSAL

É importante frisar que o conceito de Desenho Universal não surgiu em formato de lei, porém isso veio a acontecer no ano de 2004, no Brasil, a partir do Decreto Federal 5.296. No decreto há a definição do conceito como: “concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e sensoriais, de forma autônoma, segura e confortável, constituindo-se nos elementos ou soluções que compõem a acessibilidade”.

O decreto ainda enfatiza que para a sua aplicação, é necessário que os projetos tenham como “referências básicas as normas técnicas de acessibilidade da ABNT, a legislação específica e as regras contidas no Decreto(…)”.

Atrelando as regras da NBR 9050 com as propostas do conceito de Desenho Universal é possível criar ambientes inteiramente acessíveis. Tendo agora o conhecimento sobre o surgimento do conceito de acessibilidade e entendendo como ela é regida, podemos prosseguir com o nosso quadro abordando diferentes espaços acessíveis direcionados a diferentes usuários. Então fiquem atentos e aguardem pelo post da semana que vem! 

Fique atento às nossas redes sociais no Instagram e no Facebook para ficar sabendo assim que o artigo for postado. E enquanto você espera, você pode aproveitar nossos conteúdos de lá! Se você gostou do nosso conteúdo, já salva e compartilha. Agradecemos por chegar até aqui e até a próxima!

Referências:

Desenho Universal: Um Conceito Para Todos, Mara Gabrilli (2007). Disponível em:<https://www.maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/01/universal_web-1.pdf> Acesso em 11 de abril de 2021.

Blog, Podcast

#2 Empregabilidade – com Maykson Assunção

A educação pode transformar a vida das pessoas

Se cada cabeça é um mundo, que tal transformar vários mundos através da educação? Admiramos o trabalho dos educadores e queremos trazer um pouco de suas experiências para o podcast. Foi com muito carinho que Maykson Assunção, educador social sênior do projeto Coletivo Jovem e mobilizador do projeto Recode da Microsoft, aceitou o nosso convite e compartilhou conosco um pouco de sua trajetória.

Esperamos que possam curtir a nossa conversa!

Siga @mayksonassuncao, @institutococacolabrasil, @solarcocacola e @procrianca no Instagram @buscaespecial para ficar por dentro das novidades!

Escute agora o episódio por aqui 👇

Para ler o episódio, confira a transcrição abaixo.