Blog

Ansiedade e depressão: saiba mais sobre essas duas condições cada vez mais frequentes

Os sentimentos e sua ligação com a depressão e ansiedade: até que ponto é normal?

Quem nunca se sentiu triste após algo não sair como planejado ou ansioso antes de uma apresentação na escola? 

Sem dúvidas, em algum ou vários momentos da vida, você já experimentou a  tristeza e a ansiedade em diferentes situações e intensidades. Isso porque esses sentimentos  estão presentes no nosso dia-a-dia e, apesar de não serem agradáveis em um primeiro momento, têm sua importância. Por isso, ser capaz de entender, lidar e expressar como vivenciamos os sentimentos é crucial para a evolução individual  na forma como nos entendemos e como lidamos e interagimos com o outro e com o mundo à nossa volta.  

A medida que conseguimos identificar nossos sentimentos e compreender o que eles representam no nosso cotidiano, desenvolvemos empatia, compaixão e conseguimos encarar de maneira mais positiva e equilibrada as dificuldades que a vida pode reservar para o futuro” –  Estadão .Edu

Mas até que ponto esses sentimentos são considerados normais, ou melhor, saudáveis? Esse talvez seja o ponto central na ligação entre os sentimentos e a depressão e a ansiedade. A resposta para essa pergunta  é: depende. Mas do que?  O limite entre o normal e o patológico está justamente na intensidade, frequência, duração e no impacto (negativo) que causam na vida de cada pessoa.  Então, para poder entender, vamos falar separadamente de cada.

Afinal de contas, o que é depressão e ansiedade?

  1. Depressão

“A depressão  é uma doença psiquiátrica crônica (longa duração) e recorrente que produz uma alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como a distúrbios do sono e do apetite”  –  CID 10.

Provavelmente, você já conheceu alguém com depressão. Isso porque é uma doença bastante comum. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 300 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão. Quando paramos para observar a situação do Brasil, as estimativas apontam para aproximadamente 11 milhões de pessoas com tal condição. Sobre a causa da depressão, temos que, assim como muitas outras doenças, é uma condição causada pela união de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos.  

Outro ponto importante é saber a diferença entre tristeza transitória e depressão.  Como já mencionado, a tristeza é um sentimento natural que os seres humanos vão experimentar inúmeras vezes ao longo da vida, sobretudo após uma perda (material ou simbólica), a exemplo de um emprego, um amigo querido ou um namoro. No caso da tristeza transitória, como o próprio nome já nos diz, ela é temporária (durando horas ou dias) e espera-se que seja superada e o que o indivíduo siga sua vida normalmente. Já nas formas patológicas, essa tristeza é persistente (durando semanas), frequente e começa a afetar a vida do indivíduo. Assim, é comum que na depressão o indivíduo perca o interesse em atividades antes prazerosas, apresenta sentimento de culpa, irritabilidade, dificuldade para se concentrar, alteração do sono (para mais e para menos), apetite, peso, fadiga e até pensamento de morte ou suicídio.

  1. Ansiedade

A ansiedade é uma resposta natural do nosso corpo a determinada situação, um mecanismo de sobrevivência para lidar com situações em que entendemos estar em perigo, como um tipo de expectativa em relação ao que está por vir”

Assim como foi falado no caso da tristeza, é comum que ao longo da vida as pessoas experimentem a ansiedade inúmeras vezes.  Desde a infância nos sentimos ansiosos com acontecimentos que estão por vir: uma festa de aniversário muito aguardada, uma prova difícil e até mesmo uma viagem podem causar grande expectativa.  Nesses casos, a ansiedade é uma reação emocional que pode ser motivadora, sendo benéfica para que o indivíduo se prepare e esteja alerta, podendo ser indicativo do nível de responsabilidade e comprometimento com o que está por vir. Quando não há prejuízo na vida do indivíduo, a ansiedade é considerada como normal. No entanto, quando a ansiedade é patológica, ou seja, é caracterizado o transtorno de ansiedade, ela prejudica o dia-a-dia causando transtornos físicos e psicológicos. Nesses casos, é comum, por exemplo, que o indivíduo deixe de efetuar uma tarefa rotineira (pelo estado de alerta), falte a compromissos ou apresente sintomas  físicos (suor, coração acelerado, tremor, náusea, falta de ar, dentre outros).

Há como prevenir a depressão e o transtorno de ansiedade? 

Ninguém está imune à depressão e ao transtorno de ansiedade. Apesar disso, ter um estilo de vida saudável é a melhor forma de manter a saúde mental e física em ótimo estado. Mudança de hábitos de vida como ter uma alimentação equilibrada,  praticar exercícios físicos regularmente, combater o estresse, evitar o consumo de álcool, manter o sono regular e praticar atividades de lazer são ótimas estratégias. 

A importância da ajuda de um profissional qualificado 

Reconhecer e validar o que está sentindo é um passo importante no enfrentamento dessas questões. A depressão e o transtorno de ansiedade são doenças como quaisquer outras. Não é um sinal de loucura, preguiça e nem de irresponsabilidade.  É válido ressaltar que, por mais que sejam doenças diferentes, depressão e transtorno de ansiedade podem coexistir em um mesmo indivíduo e  que há tratamento específico para essas questões. Dessa forma, receber o auxílio por parte de um profissional de saúde qualificado, ou seja, psicólogo e psiquiatra, é necessário para que se possa fazer o correto diagnóstico, escolha da melhor abordagem terapêutica e  acompanhamento. Cada caso é único e, como tal, precisa ser particularizado e cuidado por um profissional. 

Referências:

Depression and Other Common Mental Disorders. World Health Organization. Genebra. 2017. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf;jsess ionid=178B8D4B29C3C7E0DCA942DB0C5319E7?sequence=1>. Acesso em: 20  de set. de 2021.

Depressão. Organização Pan-americana de Saúde, Brasília. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/topicos/depressao>. Acesso em: 20  de set. de 2021.

Como saber se a ansiedade é boa ou ruim? Ukor. Disponível em: <https://ukor.com.br/blog/como-saber-se-a-ansiedade-e-boa-ou-ruim/>.  Acesso em: 20  de set. de 2021.

Depressão: causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção. Ministério da Saúde, Brasília. Disponível em: <https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/depressao>. Acesso em: 20  de set. de 2021.

MIGUEL, E. C. et al. Clínica Psiquiátrica: As grandes síndromes psiquiátricas volume 3. 2. ed. Barueri: Manole, 2021.

Ansiedade: como a psicologia pode me ajudar? Salute Care,  11 de Jan. de 2021. Disponível em: <https://www.clinicasalutecare.com.br/ansiedade-como-a-psicologia-pode-me-ajudar/>. Acesso em:  20  de set. de 2021.

A importância de saber lidar com os sentimentos. Estadão, São Paulo, 04 de Maio de 2020. Disponível em: <https://educacao.estadao.com.br/blogs/blog-dos-colegios-santi/a-importancia-de-saber-lidar-com-os-sentimentos/>. Acesso em: 20  de set. de 2021.

TELES, Maria Luiza Silveira. O que é depressão. Brasiliense, 2017.

Um comentário em “Ansiedade e depressão: saiba mais sobre essas duas condições cada vez mais frequentes”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s